Custos na importação

Ao optar pela importação de um produto, é essencial que o importador faça uma análise completa de todos os custos envolvidos na nacionalização da mercadoria, a fim de definir estrategicamente se a operação é compensatória para determinada mercadoria, bem como buscar soluções e opções para otimização dos resultados financeiros.

A importação em si envolve muitas variáveis, tais como a parametrização fiscal da Declaração de Importação (que irá influenciar no tempo de permanência da mercadoria no recinto alfandegado), taxa de câmbio, se haverá ou não necessidade de vistoria MAPA/expurgo (para importações marítimas), pagamento ao órgão anuente (quando for o caso), utilização ou não de benefício fiscal de ICMS, entre outros. Para uma análise mais detalhada e crítica da operação, o importador pode contar com a ajuda de uma empresa especializada.

No entanto, há alguns custos que são comuns a todos os processos, os quais estão relacionados abaixo:

  1. Pagamento da mercadoria ao exportadorA forma de pagamento deve ser negociada entre o importador e exportador;
  2. Pagamento do frete internacionalao agente de carga: normalmente será pago após a chegada da carga no Brasil, com a taxa de câmbio vigente – para operações COLLECT. Em caso de operações PREPAID, o valor é pago diretamente ao exportador, juntamente com a mercadoria;
  3. Pagamento dos impostos federais para a Receita Federal (o fato gerador dos impostos federais ocorre no momento do registro da DI, bem como sob a taxa de câmbio vigente nesta data. Estão inclusos: Imposto de Importação, Imposto sobre produtos industrializados (IPI), Pis/Pasep, Cofins, Antidumping (quando for o caso). As alíquotas destes impostos são dadas de acordo com classificação fiscal do produto. Em toda DI também há a incidência da Taxa Siscomex;
    • Imposto de importação: O Imposto de Importação é recolhido com base no valor aduaneiro da importação, ou seja, o valor CIF (custo da mercadoria, seguro e frete).
    • Imposto sobre produtos industrializados (IPI): Calculado com base no valor aduaneiro adicionado do imposto de importação (II).
    • PIS/Pasep: Calculado com base no valor aduaneiro.
    • COFINS: Calculado com base no valor aduaneiro.
  4. Pagamento de armazenagemao recinto alfandegado: é pago pelo período de permanência da carga, e inclui também os serviços agregados que se fizerem necessários. A escolha do recinto alfandegado é feita pelo importador;
  5. Pagamento do AFRMM: para importações marítimas, é obrigatório o pagamento do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante. Pode ser pago a partir da data da atracação do navio no porto de destino e antes da retirada da mercadoria;
  6. Pagamento dos serviços da comissária de despacho: Normalmente o importador faz a contratação de uma comissária de despachos para realização do desembaraço aduaneiro e operações intrínsecas. O valor depende da operação e negociação;
  7. Pagamento do ICMS: trata-se de um imposto estadual (Imposto sobre a circulação de mercadorias e prestação de serviços) e é devido ao estado do importador do bem. Pode ser pago a partir da data do registro da DI e tem como fato gerador o desembaraço aduaneiro. Em caso de operações via trading, o valor pode ser reduzido, através da utilização de um benefício fiscal;
  8. Pagamento do Frete Rodoviárioà transportadora: normalmente o importador opta por terceirizar o serviço de retirada da mercadoria do recinto alfandegado e entrega na empresa e/ou local desejado.

Calculadora de custos de importação

Você já sabe como calcular os impostos incidentes em uma importação? Baixe nossa planilha de custos na importação clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *