Onde buscar oportunidades de importação?

O mundo da importação/exportação é fascinante, cheio de oportunidades e possibilidades de investimentos lucrativos. O risco existe, mas ele se torna totalmente controlável quando você conhece bem alguns pontos importantes do processo. E um deles são os melhores países para importar produtos.

E para que seu caminho seja apenas de sucesso em todos os degraus, preparamos uma lista com os países que te oferecem as oportunidades mais vantajosas.

 

China

         

A China é destaque total no mundo das exportações. Ao longo dos anos o país tem superado grandes potências mundiais e assumindo o topo do ranking no segmento.

Em 2014, as exportações dos chineses cresceram 6,1% em relação ao ano anterior. O comércio alcançou a impressionante marca de US$ 2,35 trilhões.

Com relação aos produtos mais exportados pela China, destacam-se:

  • Aparelhos transmissores e receptores.
  • Celulares
  • Bombas e compressores.
  • Motores e geradores.
  • Compostos orgânicos e inorgânicos.
  • Circuitos impressos.
  • Circuitos integrados.
  • Dispositivos móveis.

 

Índia

 

A Índia é uma nação emergente. O crescimento econômico do país nos últimos anos tem sido excelente, o que a coloca como a nona maior economia do mundo.

O crescimento anual da Índia tem sido de 7%, resultado dos esforços de uma economia diversificada, com destaque para as áreas tecnológica, de serviços, agrícola, financeira e industrial.

É destaque nas exportações indianas:

  • Produtos manufaturados.
  • Indústria de tecnologia.
  • Produção de softwares.

 

Estados Unidos

 

Os Estados Unidos são detentores da maior economia do mundo, em volume de PIB. Trabalhando totalmente dentro dos parâmetros capitalistas, se destacam em diversos setores.

Possui um mercado consumidor interno forte e com bastante poder aquisitivo. Os principais setores econômicos dos EUA são as finanças, a indústria, tecnologia, mineração, agricultura e turismo.

Nas exportações, os Estados Unidos se destacam:

  • Produtos agrícolas
  • Suprimentos industriais
  • Computadores
  • Motores de veículos
  • Transistores
  • Equipamentos de telecomunicações


Alemanha

 

A economia da Alemanha é a mais rica da Europa. Destaque para a indústria alemã, altamente desenvolvida, com tecnologia de última geração. Também merecem destaque os setores de finanças e de serviços.

O país fechou o ano de 2014 como a quarta maior economia do mundo, com um PIB de US$ 3,621 trilhões, representando um crescimento de 1,5% (PIB).

Os destaques nas exportações alemães são:

  • Produtos químicos
  • Veículos
  • Manufaturas
  • Máquinas
  • Metais
  • Produtos têxteis e alimentícios.

 

Japão

 

A Segunda Guerra Mundial foi um divisor de águas para a economia japonesa. Com a ajuda estrangeira, em especial dos EUA, o Japão investiu pesado no desenvolvimento tecnológico e industrial. E já na década de 70 já era uma das grandes potências do mundo.

Hoje o Japão já é a terceira maior economia do mundo em volume de PIB. Além disso, uma das grandes vantagens do país é a sua infraestrutura (geração de energia, rodovia e portos), que colabora muito com o desenvolvimento do país.

Entre os destaques das exportações japonesas, estão:

  • Equipamentos eletrônicos
  • Veículos
  • Artigos de informática

 

 

Mercosul


O Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) trata-se da união comercial e política entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, que assinaram o Tratado de Assunção em março de 1991.

Após esse período, outros países se uniram ao Mercosul: Chile (1996), Bolívia (1997), Peru (2003), Colômbia, Equador e Venezuela (2204).

O comércio dentro do Mercosul passou de US$ 4,5 bilhões (1991) para US$ 59,4 bilhões (2013).

Como destaque nas exportações do Mercosul, temos:

  • Produtos industrializados
  • Produtos agrícolas (açúcar, soja, carne bovina, vinho e arroz)
  • Energia (destaque para a Venezuela, que detém quase 93% das reservas de petróleo do Mercosul)

 

Exportação – 8 dicas para vender no exterior

Este é o relato que mais escuto dos empresários em relação à exportação…

Sua empresa está há anos no mercado, já ganhou a confiança de clientes brasileiros e possui o reconhecimento de mercado, mas nunca conseguiu vender nenhum produto para clientes no exterior. Não conseguiu encontrar oportunidades em outros países ou entender o processo de maneira simplificada.

Isto também acontece com sua empresa?

Algumas empresas até tentaram contatar prováveis clientes no exterior, mas a barreira do idioma e as dúvidas sobre as procedimentos corretas, o preço adequado e a legislação, impedem que o negócio seja concluído com segurança.

Sem problemas, é comum enfrentar estas dificuldades no início. Porém, com a preparação correta sua empresa poderá conseguir bons negócios a partir de agora.

Preparei algumas dicas que irão auxiliar sua empresa na fase de planejamento da exportação, como na busca de clientes no exterior, na formação de preço de vendas, na mitigação de riscos, e muito mais.

A dica #7 é a mais importante na minha opinião, e na maioria das vezes é ignorada pelos traders e artigos da internet. Ela é a que diferencia uma empresa que terá sucesso na exportação de seus produtos, das empresas que vão investir muitos esforços no projeto e não perceberão o retorno.

Vamos lá? Tome note e em caso de dúvidas não deixe de comentar abaixo ou nos contatar!

 

DICA #1: DEFINIR A SUA ESTRATÉGIA

 

Planejamento e estratégia são as palavras-chave para qualquer empresa que deseja exportar.

Alguns empresários relatam que o foco da exportação é o “mundo inteiro”, ou seja, na verdade não possuem um foco. Pesquisar os mercados consumidores de seu produto e definir países ou regiões do globo onde há deficiências na oferta do mesmo é essencial para o sucesso de uma operação de vendas internacional. Fazer uma lista de países e realizar uma pesquisa de mercado neles é uma dica valiosa. Procure na internet informações sobre os concorrentes no país de destino da mercadoria, assim como os preços praticados e as deficiências que os clientes enfrentam no dia-a-dia.

Use blogs, fóruns na internet, redes sociais, e eventualmente ligue para clientes e distribuidores para conversar sobre o assunto. Os comentários dos profissionais destes países são as fontes de informações mais confiáveis sobre a dinâmica do mercado e fornecerão subsídios para as decisões que você irá tomar.

As informações que você coletar podem lhe auxiliar em definir o seu modelo de atuação, como a linha de produtos que será ofertada, o canal de distribuição (departamento próprio, representantes internacionais ou distribuidores) e como será feita a entrada neste mercado.

Outra pergunta importante que devemos fazer a nós mesmos é em relação a capacidade produtiva de sua fábrica. Você consegue atender o mercado doméstico e ao exterior sem ter problemas de atrasos na entrega? Os clientes internacionais são muito sensíveis ao prazo de entrega e podem perder a confiança em você caso algum pedido não seja embarcado conforme combinado na negociação.

É importante que todas as condições sejam cumpridas e que você não tenha custos extras para finalizar o pedido, como a contratação de hora-extra (que deve ocorrer somente em casos de urgência) – planejamento deve vir em primeiro lugar.

Proforma Invoice na Exportação - Fatura Comercial - NEST Consultoria

 

DICA #2: VENDEDORES NO EXTERIOR: DEPARTAMENTO PRÓPRIO, REPRESENTANTE COMERCIAL OU DISTRIBUIDORES

 

As modalidades mais comuns de canais de distribuição são:

Representante comercial no exterior

 

Alternativa com menor custo de implementação e manutenção, os representantes comerciais podem estar baseados no Brasil ou no exterior e são responsáveis pelo relacionamento entre empresas brasileiras e estrangeiras.

Estes profissionais são responsáveis por: prospectar novos clientes em diferentes países, apresentar a linha de produtos, receber cotações e pedidos que serão analisadas pelas empresas. Além disto, espera-se que o representante tenha conhecimento de sua região de atuação, tendo contato prévio com distribuidores, varejistas e indústrias do setor em questão. A comissão costuma variar de 1 a 10% .

 

Departamento de vendas próprio para exportação

 

Opção geralmente de empresas maiores ou com grandes volumes de exportação, o departamento interno de vendas para exportação irá trabalhar com as mesmas atribuições do representante comercial e poderá fazer este trabalho por telefone, visitas presenciais, ou estandes em feiras do setor.

Os departamentos demandam um investimento maior por parte das empresas pois os profissionais necessitam ser capacitados em línguas estrangeiras e todos os custos serão alocados em uma única empresa, diferentemente do representante comercial que fará uma viagem para representar diversas empresas brasileiras e dividirá as despesas.

Por outro lado, empresas que possuem departamentos internos de vendas para exportação possuem maior controle sobre a negociação e o relacionamento com o cliente e podem controlar o nível de serviço prestado.

Modelo proforma invoice - NEST

Distribuidores no exterior

Distribuidores no exterior são uma ótima opção para empresas que preferem focar suas operações em poucos pontos focais no exterior, Ou seja, prospecta-se um distribuidor em determinada região que irá estocar seus produtos no exterior e comercializar para os varejistas locais.

Esta opção é ótima para empresas que estão iniciando suas operações no exterior e querem testar a demanda em determinado país. Porém, há pouca diversificação e as margens são menores.

 

DICA #3: QUALIDADE DOS PRODUTOS

 

O mercado internacional é extremamente competitivo e você deve entregar produtos de excelente qualidade.

Tenha em mente que clientes no exterior possuem acesso a fornecedores no mundo inteiro, e consequentemente têm diversas opções de preço, qualidade e prazo de entrega. Otimize sua empresa e invista constantemente na melhora dos processos produtivos, equipamentos, treinamento e matéria-prima para que o importador perceba o seu diferencial.

DICA #4: ADAPTAÇÃO DE EMBALAGENS E MATERIAL DE VENDAS

 

Em muitos os casos é necessário adaptar a embalagem de seus produtos para o mercado externo, especialmente através da tradução para outros idiomas das instruções de uso e detalhes técnicos.

Porém, além disto, é necessário conhecer o consumidor do mercado de destino e desenvolver o design de acordo com suas preferências e gostos locais. Todos os materiais de vendas a serem distribuídos para os clientes no exterior devem estar em língua estrangeira e sem preços, assim você poderá negociar os valores de acordo com as quantidades solicitadas.

 

DICA #5: LOGÍSTICA INTERNACIONAL, FRETE E SEGURO

 

A logística internacional é customizada e dependerá de cada tipo de produto. A exportação poderá ser feita através de transporte aérea, marítimo ou rodoviário. É necessário avaliar vários fatores para tomar esta decisão, como:

  • Tamanho do produto
  • Peso do produto
  • Perecibilidade (O produto é percecível)?

Frete e seguro geralmente são responsabilidade do importador, portanto sua lista de preços será na modalidade FOB ou FCA (leia mais detalhes aqui). É comum que sua empresa, o exportador, deva entregar as mercadorias em algum porto ou transportadora no Brasil, e após isto o agente de carga do cliente se encarregará dos trâmites.

Modelo proforma invoice - NEST

DICA #6: SATISFAÇÃO = PERSPECTIVA – EXPECTATIVA

 

A qualidade do produto deve ser adaptada para o mercado e para o preço praticado. As vezes os clientes aceitam qualidades inferiores caso o preço acompanhe isto.

Portanto, é importante alinhar com os importadores quais são as expectativas em relação ao produto, quem será o consumidor final, e como será feita a distribuição no país de destino. Estas informações são importantes para adaptarmos as especificações técnicas e alinharmos o que o importadora espera.

 

DICA #7: FORMAÇÃO DE PREÇOS PARA EXPORTAÇÃO – UMA LISTA DE PREÇOS E ESTRATÉGIA PARA CADA PAÍS

 

Esta é a dica mais importante da exportação! Ressalto este tema com todas as empresas que me procuram para iniciar suas operações de comércio exterior.

Cada país deve ter uma estratégia diferente, além de uma lista de preços customizada para. E qual seria o motivo? Esta é fácil responder… Todo país possui um cenário único, com clientes e concorrentes diferentes.

Isto implicará em outras questões, como preço, prazos de entrega, qualidade esperada e oferta dos produtos. Portanto, é possível ganhar margens maiores em locais onde há pouca oferta e concorrência, porém, iremos compensar com lucratividade menor em mercados concorridos.

Sugiro que cada empresa faça uma pesquisa de preços em cada país e possua uma lista de preços flexível. Além disto, na exportação é comum que os volumes sejam maiores, o que demandará maiores descontos por parte do exportador. Esteja preparado para negociar de acordo com a quantidade, e adaptar-se para o mercado consumidor.

Pequena e média empresa importação - NEST Consultoria

 

DICA #8: PREPARAÇÃO NUNCA É DEMAIS

 

Busque treinamentos, leia artigos e informe-se sobre o comércio exterior e o seu mercado de atuação. O mundo está sempre evoluindo e os negócios também…

Procure materiais na internet, livros e conversar com profissionais que irão lhe auxiliar nas suas dúvidas, mas o importante é não deixar de aproveitar das oportunidades de comércio exterior e mudar totalmente seu patamar de faturamento.

 

RESUMO (COMO VENDER PARA O EXTERIOR)

 

Hoje é o melhor momento para sua empresa ir para o próximo patamar e encontrar um novo mundo de oportunidades.

A exportação é a oportunidade de diversificar o seu mercado consumidor e deixar sua empresa menos dependente das oscilações da economia doméstica, além de evitar os problemas de inadimplência e crédito que muitos empresas sofrem atualmente.

Exportar é uma questão de planejamento, estratégia e que certamente lhe renderá bons frutos. Deixe seus comentários e assine nosso blog para receber mais notícias sobre o tema!

Modelo proforma invoice - NEST

De qual país importar? (O #2 é o país com mais oportunidades)

O mundo da importação/exportação é fascinante, cheio de oportunidades e possibilidades de investimentos lucrativos. O risco existe, mas ele se torna totalmente controlável quando você conhece bem alguns pontos importantes do processo. E um deles são os melhores países para importar produtos.

Para que seu caminho seja apenas de sucesso em todos os degraus, preparamos uma lista com os países que te oferecem as oportunidades mais vantajosas.

China

A China é destaque total no mundo das exportações. Ao longo dos anos o país tem superado grandes potências mundiais e assumindo o topo do ranking no segmento. Em 2014, as exportações dos chineses cresceram 6,1% em relação ao ano anterior. O comércio alcançou a impressionante marca de US$ 2,35 trilhões.
Com relação aos produtos mais exportados pela China, destacam-se:

  • Aparelhos transmissores e receptores.
  • Celulares.
  • Bombas e compressores.
  • Motores e geradores.
  • Compostos orgânicos e inorgânicos.
  • Circuitos impressos.
  • Circuitos integrados.
  • Dispositivos móveis.

Índia

A Índia é uma nação emergente. O crescimento econômico do país nos últimos anos tem sido excelente, o que a coloca como a nona maior economia do mundo.
O crescimento anual da Índia tem sido de 7%, resultado dos esforços de uma economia diversificada, com destaque para as áreas tecnológica, de serviços, agrícola, financeira e industrial.
É destaque nas exportações indianas:

  • Produtos manufaturados.
  • Indústria de tecnologia.
  • Produção de softwares.

 

Estados Unidos

Os Estados Unidos são detentores da maior economia do mundo, em volume de PIB. Trabalhando totalmente dentro dos parâmetros capitalistas, se destacam em diversos setores.
Possui um mercado consumidor interno forte e com bastante poder aquisitivo. Os principais setores econômicos dos EUA são as finanças, a indústria, tecnologia, mineração, agricultura e turismo.
Nas exportações, os Estados Unidos se destacam:

  • Produtos agrícolas.
  • Suprimentos industriais.
  • Computadores.
  • Motores de veículos.
  • Transistores.
  • Equipamentos de telecomunicações.

 

Alemanha

A economia da Alemanha é a mais rica da Europa. Destaque para a indústria alemã, altamente desenvolvida, com tecnologia de última geração. Também merecem destaque os setores de finanças e de serviços.
O país fechou o ano de 2014 como a quarta maior economia do mundo, com um PIB de US$ 3,621 trilhões, representando um crescimento de 1,5% (PIB).
Os destaques nas exportações alemães são:

  • Produtos químicos.
  • Veículos.
  • Produtos manufaturados.
  • Máquinas.
  • Metais.
  • Produtos têxteis e alimentícios.

 

Japão

A Segunda Guerra Mundial foi um divisor de águas para a economia japonesa. Com a ajuda estrangeira, em especial dos EUA, o Japão investiu pesado no desenvolvimento tecnológico e industrial. E já na década de 70 já era uma das grandes potências do mundo.
Hoje o Japão já é a terceira maior economia do mundo em volume de PIB. Além disso, uma das grandes vantagens do país é a sua infraestrutura (geração de energia, rodovia e portos), que colabora muito com o desenvolvimento do país.
Entre os destaques das exportações japonesas, estão:

  • Equipamentos eletrônicos.
  • Veículos.
  • Artigos de informática.

Mercosul

O Mercado Comum do Sul (MERCOSUL) trata-se da união comercial e política entre Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, que assinaram o Tratado de Assunção em março de 1991.
Após esse período, outros países se uniram ao Mercosul: Chile (1996), Bolívia (1997), Peru (2003), Colômbia, Equador e Venezuela (2204).
O comércio dentro do Mercosul passou de US$ 4,5 bilhões (1991) para US$ 59,4 bilhões (2013).
Como destaque nas exportações do Mercosul, temos:

  • Produtos industrializados.
  • Produtos agrícolas (açúcar, soja, carne bovina, vinho e arroz).
  • Energia (destaque para a Venezuela, que detém quase 93% das reservas de petróleo do Mercosul).

Você gostaria de importar de algum desses países? Conte para a gente nos comentários abaixo!

4 motivos para sua empresa importar do Mercosul (o #3 é o nosso favorito)

Antes de qualquer coisa, é preciso ter certeza de que você conhece as principais informações sobre o Mercosul. Mercosul é a sigla de Mercado Comum do Sul, que vem a ser uma União Aduaneira, formada em 1991, entre Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai e Venezuela.

Mais adiante Colômbia, Chile, Bolívia, Equador e Peru ingressaram nesse grupo, que tem como objetivo principal estabelecer uma tarifa externa que seja comum a todos eles, além da livre circulação de mercadorias, serviços e bens entre os associados.

Diminuir as barreiras alfandegárias e adotar uma política comercial comum em relação a outras nações são importantes motivos de existir dessa união. Isso quer dizer que devem ser estipuladas taxas comuns para produtos e serviços vindos de outros países que não sejam daqueles que compõem o Mercosul.

É fácil perceber que existem muitas vantagens para os países que compõem esse grupo, concorda? E se você pretende ingressar no seleto grupo de importadores? Será que é vantajoso o fato do Brasil estar no Mercosul? Ou isso pode se tornar um grande entrave para os seus objetivos?

 

O Brasil importador

É importante para o Brasil manter relações comerciais com outros países e importar produtos e serviços que sejam mais baratos e de melhor qualidade do que aqueles produzidos internamente. Afinal, é impossível sobreviver sendo autossuficiente.

Por isso, importar tornou-se uma importante ação para o Brasil. Mas, de quem importar? Quais são os melhores mercados para isso?

O fato de estar no Mercosul dá ao Brasil, além de proteção e poder de competição no exterior, algumas vantagens quando as ações comerciais são realizadas entre as nações que compõe o grupo. Você sabe quais são essas vantagens? Vejamos!

 

Vantagens

1. Tempo para receber as importações

É muito mais simples, mais rápido e também mais seguro quando comercializamos com países que fazem fronteira com o nosso país, não é verdade?

A logística é muito mais eficaz e o tempo de entrega é bastante acelerado e você não precisará esperar tanto quanto quando comercializamos com nações distantes. O frete geralmente é rodoviário, o que também permite valores mais baixos de logística.

2. Volumes reduzidos e menos riscos

O ideal é começar importando em quantidades seguras, sem exageros; afinal você não quer – e não pode – jogar dinheiro fora.

Por isso, é necessário olhar com bons olhos a possibilidade de pagarmos baixos impostos – ou nem pagarmos – e com volumes reduzidos. Isso diminuirá a margem de erro e o risco de dívidas comerciais, perigosas para o futuro de qualquer empreendimento.

3. Impostos

A entrada do Brasil no Mercosul tem impacto relevante em relação aos impostos pagos para importação.

Enquanto comercializa com nações europeias ou asiáticas, por exemplo, existe a obrigatoriedade de pagamento de impostos de importação que, muitas vezes, inviabilizam o negócio em função dos altos valores.

Mas este problema deixa de existir quando as relações são feitas entre os componentes do Mercosul, pois os impostos de importação entre eles foram reduzidos a zero ou a uma taxa muito próxima à isenção total.

4. Livrando-se do dólar

Uma das grandes vantagens de importar do Mercosul é que as negociações são realizadas em moeda local e não na moeda dos EUA, gerando reservas cambiais importantes para o desenvolvimento do Brasil. Além disto, a variação das moedas do Mercosul costuma ser menor, o que permite uma negociação sem a preocupação de grandes alterações do câmbio.

 

Você já importa produtos do Mercosul? Como foi sua experiência e quais são os seus planos?